quarta-feira, 27 de fevereiro de 2019

A nossa cidade

Tudo começou numa reunião da manhã. O Manel trouxe para a sala um livro sobre uma cidade. Lemos esse livro com a sala da Carolina e descobrimos que o livro tinha uma loja, um talho, uma escola. Começámos a conversar sobre o que mais existe na cidade: "Carros"; "Igreja" ; "Biblioteca"...


Surgiram algumas sugestões, mas achámos que era mesmo importante fazermos o reconhecimento do nosso bairro. Como a nossa escola ainda fica um bocadinho longe (e é sempre a subir) do início do bairro, pedimos ajuda aos pais. No dia marcado, as famílias deixaram os seus filhos no ponto de encontro. Era então hora de irmos conhecer Alvalade com os nossos amigos da sala ao lado. 


Começámos a nossa caminhada e fomos tão bem recebidos. Na padaria ofereceram-nos bolachas caseiras, na mercearia comprámos uvas, na farmácia ficámos a conhecer quem vende os medicamentos. O percurso era grande... passámos passadeiras e vimos paragens de autocarro, vimos táxis e um carro da polícia. Por onde passávamos, diziam-nos adeus. O caminho levou-nos até ao quartel dos bombeiros, onde fomos simpaticamente recebidos e onde pudemos ver os camiões e os equipamentos dos bombeiros. 


A nossa viagem continuou, a cada esquina uma nova descoberta: uma lavandaria, uma loja de bicicletas, um talho, um cabeleireiro, muitos bancos e até a igreja de Alvalade encontrámos e reconhecemos. Mas se houve espaço que gostámos de visitar foi o mercado de Alvalade. Algumas vendedoras, reconheceram alguns do grupo. Entre acenos e conversas visitámos o mercado e observámos as várias bancas de alimentos. 


No caminho de regresso à escola, voltámos a acenar aos nossos "amigos vizinhos" do bairro. Passámos pela florista, cafés e restaurantes e acabámos o percurso atravessando a mata de Alvalade onde reconhecemos o parque que costumamos frequentar. A manhã foi maravilhosa e eles estoicamente aguentaram todo o percurso. 


Chegados à escola, pudemos conversar sobre o que vimos e decidir o que fazer com as nossas descobertas. O passo seguinte era construir uma maqueta do bairro, com algum do comércio que observámos na visita pela cidade. Numa construção, verdadeiramente a várias mãos e entre as duas salas, conseguimos acabar este nosso projeto. 


A nossa pequena cidade ficou maravilhosa. E o melhor de todo este processo foi poder partilhar a realização deste projeto com a nossa sala vizinha. 

Sem comentários:

Publicar um comentário